Projeto de alunos do curso Técnico de Mecatrónica da EPRAMI em Paredes de Coura, foi um dos vencedores de um auxílio financeiro para implementação, por parte da Fundação Ilídio Pinho e encontra-se já na fase de desenvolvimento.

Integrado na 15.ª edição do Prémio da Fundação Ilídio Pinho, Ciência na Escola, a EPRAMI foi uma das escolas que passou à fase de desenvolvimento de projeto com um apoio monetário à execução. O projeto, intitulado MARIA 4.0 – Mecatrónica Aplicada à Robótica Industrial e Automação 4.0 – Indústria sem Barreiras, é a Prova de Aptidão Profissional dos alunos da turma 5 do Curso Técnico de Mecatrónica da EPRAMI de Paredes de Coura e visa provar que a Indústria 4.0 é também um ambiente onde o portador de deficiência poderá trabalhar.
O projeto MARIA 4.0 – Mecatrónica Aplicada à Robótica Industrial e Automação 4.0 representa uma aplicação prática de conceito da integração da robótica industrial e automação na superação das barreiras de acesso do portador de deficiência à Indústria 4.0 garantindo uma humanização integrada da indústria do futuro. Num momento forte de revolução na indústria, denominada Indústria 4.0, o cidadão portador de deficiência não pode, segundo os autores do projeto, ser excluído da revolução que se aproxima, podendo inclusive ser uma mais-valia. Este projeto visa criar uma célula de fabrico adaptativo que pode ser gerida, mantida e operada por um cidadão portador de deficiência garantindo, contudo, uma integração das melhores práticas e tecnologia da Indústria 4.0: personalização, fabricação aditiva, fabricação subtrativa, gestão energética. Esta célula constrói vários produtos de acordo com as especificações introduzidas pelo operador a partir de elementos plásticos biodegradáveis criados por processos de fabricação aditiva.

Este apoio da Fundação Ilídio Pinho à realização deste projeto vem credibilizar o esforço desenvolvido por estes jovens técnicos em formação